em Blog

A tecnologia ganha cada vez mais espaço em diversos segmentos. Aqui, um dos exemplos mais notórios na atualidade é a aplicabilidade do blockchain na indústria da saúde. De registros históricos sobre o estado de um paciente ao compartilhamento seguro de informações médicas, ele pode originar melhorias em muitos processos.

Neste artigo, você entenderá melhor como essa rede disruptiva funciona e conhecerá alguns exemplos de usos dela nesse setor tão importante. Boa leitura!

O blockchain

Há quem diga que nada foi tão inovador no universo tecnológico desde a invenção da internet quanto o blockchain — e isso não é à toa, afinal, ele pode ser usado para certificar documentos, registrar contratos, registrar a autenticidade de documentos e propriedade intelectual, e até mesmo aprimorar um sistema de votação.

Em termos resumidos, o blockchain é uma estrutura de dados. Nele, existem blocos encadeados e validados entre si e, em cada bloco, há transações que podem carregar um número de informações. Na prática, ele funciona como um livro de registros, no qual apenas pessoas autorizadas podem registrar algo.

Além disso, uma forte criptografia é utilizada para garantir a segurança das informações registradas, e elas são validadas por consenso, ou seja, atores não podem modificá-las unilateralmente, sem o consentimento do restante da rede.

O uso do blockchain na indústria da saúde

Ideal para o registro de autenticidade e outras utilidades, conforme explicado acima, o blockchain na indústria da saúde está associado a certas particularidades devido à natureza distinta desse segmento. Veja, abaixo, alguns exemplos práticos:

Maior segurança para as informações do paciente

Os registros e o histórico médico dos pacientes podem ser armazenados com maior segurança por conta da forte criptografia do blockchain. A rede utilizada para a transação do bitcoin, por exemplo, é conhecida há quase 10 anos e nunca foi hackeada. Assim, diminui-se a vulnerabilidade de hospitais e clínicas, que normalmente não possuem uma área de TI muito sofisticada, a ataques maliciosos.

Ainda nesse contexto, os pacientes também podem criar uma identidade digital que funciona espécie de “carteira” e que contém os com seu histórico e dados médicos mais relevantes. Ele poderá, com isso, controlar a diferentes configurações de privacidade e compartilhar partes específicas com diferentes médicos e outros profissionais da saúde. Não só esse sistema é muito mais prático, mantendo toda a informação do paciente a seu alcance, como ajuda a empoderá-lo e aumentar a sua privacidade.

Compartilhamento de pesquisas e ensaios clínicos

Ainda na linha da segurança da informação, as plataformas que se valem dessa tecnologia são excelentes ambientes para armazenar e compartilhar pesquisas acadêmicas e ensaios clínicos sobre casos e/ou enfermidades específicas, já que são mais seguras.

Além de ficarem mais protegidos, esses dados estarão ao alcance de pessoas previamente selecionadas, estabelecendo um acesso mais controlado a eles.

Armazenamento de prontuário eletrônico

Os prontuários eletrônicos, geralmente produzidos por softwares para clínicas e hospitais, também ficam resguardados com a criptografia da cadeia de blocos, seguindo a mesma lógica explicitada no tópico anterior. É uma alternativa para se precaver contra o vazamento de informações e mantê-las reunidas em um só lugar.

Melhorias para clínicas, consultórios e hospitais

O blockchain pode ser utilizado como uma forma mais eficiente de compartilhar o histórico de um paciente entre as instituições. Atualmente, elas possuem bases de dados separadas, de modo que se torna difícil transmitir informação crucial entre elas. Imagine, por exemplo, que alguém admitido no serviço de emergência possua uma alergia que deve ser informada ao médico plantonista a fim de evitar uma complicação. Com uma database que reúne os dados relevantes no mesmo sistema, como é o caso do blockchain, isso se torna possível.

Além disso, o blockchain na indústria da saúde contribui em inúmeros processos e auxilia os gestores, sendo útil para reduzir custos ligados ao gerenciamento de informações. Ele também possibilita o rastreamento de medicamentos para saber se foram falsificados ou adulterados — enfim, suas aplicações podem, sim, trazer muitos impactos positivos para essa área.

Curtiu esse conteúdo e está empolgado com as aplicações dessa tecnologia para além da saúde? Então fique de olho no nosso blog!