em Blog, Direito e Tecnologia

E chegamos ao sexto episódio do LegalTalk, a sua série de lives semanal sobre o mundo jurídico e a tecnologia. Dessa vez teve parceria com o Elas in Tech, um grupo incrível que tem por objetivo aumentar o acesso e o protagonismo das mulheres no mercado da tecnologia, o que tornou a nossa conversa ainda mais especial.

Dessa vez, a entrevistada foi a Camila Riojas, advogada do Ópice Blum, que é uma legal architect legal hacker. No episódio ela explicou pra gente o que são essas coisas e porque elas representam o futuro do profissional do direito.

Segundo ela, o objetivo do direito deveria ser antecipar problemas e tentar evitar que eles aconteçam, e não simplesmente agir para tentar solucionar uma controvérsia que talvez nem precisasse existir. Conforme coloca a Camila, os advogados deveriam atuar “antes que o gato suba no telhado”:

“Quando a gente pensa preventivamente no caminho inteiro da execução de uma ação, quais etapas precisam ser automatizadas para melhorar o nosso acesso àquele bem que a gente quer alcançar – seja uma proposta legislativa, uma mudança dentro ambiente de trabalho, seja colocar um novo processo, um novo procedimento, correndo dentro de uma determinada empresa – e é nesse vão, porque é um vão, um espaço a ser preenchido, por profissionais que consigam falar esses dois idiomas, do direito e da tecnologia, e pensar em soluções, arquitetar essas soluções e implementá-las para uma melhor sociedade. 

Nesse sentido, a tecnologia consegue ser uma aliada importante para que possamos repensar o sistema jurídico – ou seja, hackeá-lo! -, empoderando as pessoas para que problemas legais possam ser resolvidos de outras maneiras.

Se eu fosse você, eu não perderia esse episódio, que você pode assistir na íntegra abaixo!

E aí, quer descobrir como a OriginalMy pode te ajudar a usar a tecnologia para melhorar o sistema jurídico? Então marque uma chamada com o nosso representante de vendas agora mesmo!

Confira também outros posts sobre a nossa série LegalTalk!
Lorena Serraglio: Direito Digital e Proteção de Dados
– Nancy Caigawa: Propriedade Intelectual e Tecnologia
– Andréia Santos: Cultura Organizacional e Tecnologia